1 de outubro de 2014

Ministro da Defesa Nacional destaca “actualidade” do seminário sobre a Grande Guerra

José Pedro Aguiar-Branco destacou a “actualidade” do seminário internacional “Small Power is a Power? The role and resilience of small and medium powers during the Great War 1914-1918”, que se realiza hoje e amanhã, no Instituto da Defesa Nacional (IDN), em Lisboa.

O evento resulta de uma parceria do IDN com o Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e o Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, e conta com o apoio da Comissão Coordenadora da Evocação do Centenário da 1ª Guerra Mundial.

“A maior homenagem que podemos fazer” aos militares que sacrificaram a sua vida na Grande Guerra “é tentar extrair (…) daquilo que são as lições aprendidas em relação ao tema deste seminário, o papel das pequenas e médias potências no conflito global” e que “tem uma atualidade que dá um sentido muito útil e prático à reflexão que vai sair deste seminário”, referiu o ministro da Defesa Nacional, durante a cerimónia de abertura do evento.

Considerando que “é um dever nacional” a evocação de “um acontecimento marcante como este para a história mundial”, José Pedro Aguiar-Branco afirmou que este seminário constitui também uma oportunidade de reflexão “sobre o contexto e o modo como Portugal respondeu ao grande desafio de participar ao lado de outras nações na defesa dos valores” e dos quais as pessoas estão, muitas vezes, arredadas. O ministro da Defesa Nacional deu como exemplo, durante a sua intervenção, “a preocupante ameaça do estado islâmico” e a linha de actuação da “coligação internacional” onde Portugal se insere.

Para Aguiar-Branco a pergunta fundamental a colocar neste seminário é “quais são os níveis de prontidão, quer em termos de dimensão operacional, quer em termos da dimensão da formação da vontade política, que possa conduzir a uma eficiente resposta a estes desafios?”

O ministro da Defesa Nacional afirmou ainda estar crente de que “deste seminário, vão resultar conclusões que muito ajudarão aos actores políticos que tem responsabilidade de estar na coisa pública para encontrar as melhores decisões para os desafios também internacionais que o mundo nos coloca”. (Defesa)