14 de outubro de 2019

Combate do NRP Augusto Castilho contra o submarino alemão U-139

A 14 de Outubro de 1918 dá-se o combate do NRP Augusto Castilho contra o submarino alemão U-139.


13 de outubro de 2019

VAMTAC ST5 - Testes de aceitação

(Exército)No âmbito do processo de aquisição da Viatura Táctica Ligeira Blindada (VTLB) designada de VAMTAC ST5, a nova viatura que vai equipar brevemente o Exército Português, decorreu no período entre 30 de Setembro e 04 de Outubro de 2019, o First Article and Acceptance Test (FAAT) da primeira viatura VAMTAC ST5, que faz parte do primeiro lote de entregas ao Exército Português.

A VAMTAC ST5 está especialmente vocacionada para emprego em operações que exijam elevada mobilidade táctica e rápida projecção com protecção. Destacamos as principais características: blindagem reforçada, protecção anti-minas e engenhos explosivos improvisados (IED), tração integral 4x4 todo-o-terreno, capacidade de transportar 5 militares e armamento, acoplado numa torreta.

O FAAT é muito relevante no processo de aceitação das novas viaturas, precedendo a entrega do primeiro lote. Os testes foram conduzidos nas instalações da empresa UROVESA, em Valga, Galiza, Espanha, tendo participado uma delegação do Exército Português e representantes da NATO Support and Procurment Agency (NSPA), que verificaram e testaram in loco a primeira viatura produzida, ao abrigo do contrato estabelecido com a UROVESA.

12 de outubro de 2019

Exército participa no exercício internacional “Real Thaw 19”

(Exercito)O Exército, através do Esquadrão de Reconhecimento (ERec) do Agrupamento (Agr) Intelligence, Surveillance, Targeting, Acquisition & Reconnaissance (ISTAR) do Regimento de Cavalaria N.º 3, participou no exercício Real Thaw 19 (RT19), nos dias 22 de Setembro a 04 de Outubro, na Base Aérea 11 (BA11) em Beja.

Neste exercício, o ERec executou missões de Transporte Aéreo Táctico (TAT), entre a BA11 e o Campo Militar de Santa Margarida, seguidas de desembarque de assalto a partir de uma aeronave e a respectiva reorganização da Força, tendo culminado com as missões específicas de um ERec, que incluíram operações de reconhecimento e operações de segurança.

O AgrISTAR empenhou na primeira semana três viaturas tácticas ligeiras de reconhecimento PANHARD M11, guarnecidas com as respectivas guarnições, sendo estas transportadas por três aeronaves C130, uma das quais portuguesa e as restantes norte-americanas. Destaca-se, de igual forma, a participação de uma Força de cenário constituída por militares e meios do ERec transportada numa aeronave C-295 portuguesa.

Na segunda semana o TAT foi feito em duas aeronaves C130 norte americanas, entre a BA11 e o Comando da Brigada de Reacção Rápida, em Tancos, à noite, de forma a que os pilotos pudessem utilizar apenas aparelhos de visão nocturna e as luzes infravermelhas da pista para aterrar as aeronaves. De igual modo as guarnições das viaturas PANHARD M11 utilizaram aparelhos de visão nocturna para o cumprimento da sua missão de vigilância, sendo os deslocamentos feitos com recurso às luzes tácticas mais conhecidas por “olhos de gato".

10 de outubro de 2019

Navio patrulha “Setúbal” entrega meios de 1ª necessidade no Corvo

(Emgfa)As Forças Armadas, através do navio patrulha “Setúbal”, da Marinha Portuguesa, desembarcaram hoje no Corvo, diverso material e bens de 1ª necessidade destinados a apoiar a população desta ilha.

Durante as operações de desembarque, o Presidente da Câmara Municipal da ilha, Dr. José Silva, realizou uma visita a bordo do navio patrulha “Setúbal”. Aproveitando esta deslocação, a equipa de engenharia do Exército realizou assessoria técnica ao Presidente.

Na ilha das Flores ficaram concluídos os trabalhos de remoção de destroços de um dos blocos de betão submersos, que foi submetido a uma acção de detonação. Após esta operação, foi já efectuada, pela equipa hidrográfica, uma sondagem com recurso a sonar lateral, para verificar que não restaram quaisquer destroços no local

Nestas operações estão empenhados, em estreita colaboração com a Secretaria Regional dos Transportes e Obras Públicas e os Portos dos Açores, desde o dia 3 de Outubro, na sequência da passagem do furacão LOURENZO, cerca de 350 militares da Marinha, do Exército e da Força Aérea.

9 de outubro de 2019

Militares Portugueses envolvidos em confronto armado na República Centro-Africana

(Emgfa)No período de 23 a 30 de Setembro, a companhia portuguesa, que é a Força de Reacção Imediata (Quick Reaction Force – QRF) da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA), no cumprimento de ordens emanadas pelo Comando daquela operação de “capacetes azuis”, foi projectada para a povoação de Bocaranga, na região Noroeste da República Centro-Africana, com a finalidade de proteger a população contra a postura ofensiva de um dos grupos armados existentes na RCA. Este, em manifesto incumprimento com o estipulado nos Acordos de Paz assinados em Fevereiro deste ano, em Bangui, entre o Governo da República Centro- Africana e os grupos armados, hostilizava a população e operava fora da Região de Koui (cerca de 25 quilómetros a oeste de Bocaranga), à qual deveria estar circunscrito.

A projecção da força portuguesa fez-se com um destacamento avançado por via aérea e o grosso da força por via terrestre.

A projecção por via terrestre implicou um movimento de cerca de 600 Km que, por força das condições meteorológicas e do terreno, se traduziu num deslocamento de três dias.

A passagem em itinerários estreitos, sobre sucessivos cursos de água em que as pontes são improvisadas e frágeis face à tipologia de viaturas da força, como são o caso das Viaturas Blindadas Pandur 8x8, exigiu das guarnições um cuidado redobrado e muitas vezes terem de lidar com imprevistos de vária ordem.

À chegada da força portuguesa a Yade (cerca de 20 quilómetros a sudoeste de Bocaranga), no dia 26 de Setembro, foi observado pelos meios aéreos (helicópteros e os novos Veículos Aéreos Não Tripulados “Raven” do Exército Português) a fuga precipitada de vários elementos, pertencentes ao grupo armado opositor.

Num dos movimentos subsequentes da força portuguesa para garantir a segurança das populações numa área mais alargada, uma das colunas da força foi emboscada. É observável pelas imagens o momento em que um engenho explosivo é deflagrado (coluna de fumo) à frente da viatura testa, acompanhado de fogo de armas ligeiras sobre a coluna. Verifica-se que esta aumenta a velocidade para sair da zona perigosa, ao mesmo tempo que responde ao fogo com as suas armas de bordo, em estreita coordenação com a aeronave que se mantinha em sobreapoio.

Na resposta à emboscada, a força portuguesa empenhou a viatura Pandur com arma controlada remotamente (Remote Weapon System), a qual permite realizar fogo com muita precisão, evitando danos colaterais.

No evoluir da operação, a força deslocou-se à região onde tinha sido identificado positivamente pelos meios aéreos a presença de elementos do grupo armado. Nessa região, parte da Força apeou – em condições de contacto iminente – com a finalidade de garantir que o local se encontrava seguro e que não havia a presença, não autorizada, de elementos do grupo armado.

É observável que o grupo armado, numa manobra de detecção, usa material do UNHCR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados).

Nos trabalhos subsequentes de recolha de indícios, foram identificados uniformes militares com a identificação objectiva do grupo armado, equipamentos de comunicações e estupefacientes.

A operação contou sempre com o apoio aéreo dos meios da MINUSCA que tinham também a bordo militares portugueses.

Durante a emboscada, algumas viaturas portuguesas foram atingidas. Nas imagens é observável uma viatura do tipo HMMWV (High Mobility Multipurpose Wheeled Vehicle) que conseguindo mover-se por meios próprios, apresenta o lado esquerdo flagelado por rebentamento de um engenho explosivo.

Este tipo de operações é realizado empenhando toda a tipologia de viaturas blindadas, incluindo, como observado nas imagens, a Viatura Blindada Pandur de Recuperação e viaturas blindadas ambulância do tipo Pandur e HMMWV.

Esta é a 6ª Força Nacional Destacada neste teatro de operações, sendo o actual contingente composto por 180 militares, maioritariamente tropas especiais Paraquedistas do Exército Português, integrando ainda militares de outras unidades do Exército e Controladores Aéreos Avançados da Força Aérea.

8 de outubro de 2019

PAÍSES EUROPEUS UTILIZADORES DE F-16 MLU REÚNEM EM CASCAIS

(FAP)Decorreu em Cascais, entre 1 e 3 de Outubro, o Weapons EPAF Meeting. Tratou-se de uma reunião entre os países da Europa que utilizam aeronaves F-16 MLU, nomeadamente, Portugal, Dinamarca, Bélgica, Holanda e Noruega.

A reunião permitiu a troca de experiências sobre os vários programas de armamento, bem como a uniformização de procedimentos na sua utilização. Os países puderam ainda articular a cooperação logística na manutenção dos sistemas de armamento associados àquela aeronave, potenciando eventuais aquisições conjuntas de armamento e sistemas relacionados.

Exército participa na Campanha de Manutenção dos Marcos da Fronteira Luso-Espanhola

(Exército)No âmbito da Comissão Internacional de Limites (CIL), da responsabilidade do Ministério dos Negócios Estrangeiros, o Centro de Informação Geoespacial do Exército (CIGeoE) é responsável por efectuar os trabalhos de campo relativos à manutenção dos Marcos de Fronteira entre Portugal e Espanha, conjuntamente com a sua congénere espanhola, o Centro Geográfico del Ejército de Tierra (CEGET).

Neste sentido, terminou a 27 de Setembro a 62.ª Campanha de Manutenção dos Marcos da Fronteira Luso-Espanhola, nos limites norte dos concelhos de Montalegre, Chaves e Vinhais, do marco 121 D ao marco 350, num total de 907 marcos, e desenrolou-se em duas fases conforme ata assinada em Março deste ano, entre o CIGeoE e o CEGET.

Esta Campanha decorreu em duas fases, sendo que a primeira fase decorreu entre 20 de maio e 28 de Junho, período no qual foram visitados todos os marcos do troço acordado, conferido o seu correto posicionamento, verificado o seu estado de conservação e efectuados alguns trabalhos básicos de manutenção quando a situação o exigia. Foi ainda verificado que alguns marcos se encontravam desaparecidos ou em avançado estado de degradação, pelo que foram mandados construir 10 novos marcos.

A segunda fase e términus desta Campanha teve lugar entre 9 e 27 de Setembro, procedendo-se à colocação por coordenadas dos 10 marcos mandados construir e realizados alguns trabalhos de manutenção que requeriam a reconstrução de muros para sustentação dos marcos caídos. Nesta fase houve necessidade de recurso a um helicóptero, disponibilizado pelo Exército Espanhol, para auxílio na colocação de 4 marcos que se encontram em locais de acesso impossível por via terrestre.

ENCERRAMENTO DA 11.ª EDIÇÃO DO REAL THAW

(FAP)Realizou-se, dia 03 de Outubro, a cerimónia de encerramento da 11.ª edição do Real Thaw, que decorreu na Base Aérea N.º 11, em Beja.

O exercício anual da Força Aérea permitiu às várias nações participantes avaliar e certificar as suas capacidades.

A cerimónia foi presidida pelo Director de Operações Aéreas, Coronel João Caldas, acompanhado pelo Exercise Control Chief, Tenente-Coronel Jorge Gonçalves, e pelo Comandante da Unidade, Coronel Fernando da Costa.

Neste evento, foram distinguidos os militares que mais se destacaram durante o exercício e entregues certificados de participação.

7 de outubro de 2019

Navio patrulha “Sines” largou hoje rumo ao Golfo da Guiné

O navio patrulha oceânico “Sines” largou hoje da Base Naval de Lisboa em direcção ao Golfo da Guiné, iniciando uma missão no âmbito da cooperação no domínio da Defesa, diplomacia naval e apoio à política externa do Estado, inserida na iniciativa MAR ABERTO 2019.

Nesta missão, que vai decorrer até ao mês de Dezembro, o navio vai desenvolver diversas actividades com as Marinhas e Guardas Costeiras do Senegal, Cabo Verde, Togo, República Democrática de São Tomé e Príncipe, Angola, Nigéria , Costa do Marfim e Guiné Bissau. O navio irá ainda contribuir para a segurança marítima nesta região do globo.

O “Sines” tem embarcado o Comandante do Grupo Tarefa, Capitão-de-mar-e-guerra Rodrigues Campos, e é comandado pela Capitão-tenente Mónica Martins. A guarnição está reforçada com uma equipa de Fuzileiros e Mergulhadores, totalizando 60 militares e levará pela primeira vez um destacamento de veículos autónomos não tripulados.

Exercício “WOLF VERIFEX 19” decorreu no Regimento de Artilharia N.º 5

(Exército)O Exército, através do Regimento de Artilharia N.º 5 (RA5), em Vendas Novas, tendo por base a sua participação no exercício “WOLF VERIFEX19", nomeou um militar para frequentar o curso de acompanhantes locais, que decorreu na Base Aérea N.º 6, assegurando, assim, o aconselhamento ao Comando do Regimento e ao mesmo tempo um ponto de contacto para com a Unidade Nacional de Verificações (UNAVE).

O exercício “WOLF VERIFEX19" teve como finalidade treinar os inspectores e os acompanhantes locais, para as funções a desempenhar no âmbito do Controlo Internacional de Armamentos e preparação das Unidades para acções inspetivas.

4 de outubro de 2019

FORÇA AÉREA RECEBE TERCEIRO HELICÓPTERO AW119MKII "KOALA"

(FAP)A Força Aérea recebeu, no dia 03 de Outubro de 2019, o terceiro helicóptero AW119MKII "KOALA".

Esta aeronave junta-se às duas que já se encontravam ao serviço da Esquadra 552 – “Zangões”, a partir da Base Aérea N.º 11, em Beja, desde Fevereiro deste ano.

Recorde-se que o contrato assinado a 27 de Dezembro de 2017 previa a aquisição de cinco “KOALAS”, para substituição dos helicópteros Alouette III. As restantes duas aeronaves têm previsão de chegada à Força Aérea para o início de 2020.

3 de outubro de 2019

Novo Regulamento de Uniformes do Exército

(Exército) partir de 03 de Outubro de 2019, o Exército Português passa a reger-se por um novo Regulamento de Uniformes do Exército (RUE), aprovado pela Portaria n.º 345/2019, de 02 de Outubro, do Ministro da Defesa Nacional.

O RUE vai concorrer significativamente para a promoção da imagem de um Exército credível, moderno e atractivo, garantindo:

- Uniformidade entre todos os militares dos quadros permanentes (QP), em regime de voluntariado e de contrato (RV/RC) e alunos da Academia Militar (AM) e da Escola de Sargentos do Exército (ESE);

- Maior conforto e funcionalidade em todo o espectro da sua utilização;

- Satisfação e compatibilização das necessidades e requisitos dos militares do sexo feminino, com a adaptação das peças de fardamento à sua própria morfologia;

- Racionalização, contemplando as peças estritamente necessárias;

- Economia, modernidade, inovação, tecnologia e qualidade;

- Simplificação da função logística reabastecimento, pela redução da quantidade de peças de fardamento.

O novo RUE resultou da necessidade de enquadrar a multidisciplinaridade de situações que engloba o serviço militar no Exército, nomeadamente o crescente emprego operacional em missões internacionais, com a participação de forças e elementos nacionais destacados em diversos teatros de operações. Teve em consideração a evolução dos uniformes no Exército Português, os uniformes em uso em Exércitos de vários países, a par do processo de transformação do Exército, da evolução tecnológica dos materiais e da simplicidade e flexibilidade de utilização dos uniformes.

O RUE passou a integrar sete tipos de uniforme (grande uniforme, jaqueta e uniformes n.ºs 1, 2, 3, 4 e 5), para utilização em cerimónias, representação, serviço, campanha, guarnição, instrução e treino físico.

Destacam-se como principais alterações as seguintes:

- O grande uniforme e a jaqueta passam a ser utilizados pelos Oficiais e Sargentos dos QP e em RV/RC;

- O uniforme n.º 1 passa a ser utilizado por todos os militares do Exército, tendo como referência a utilização do dólman;

- O atual uniforme n.º 2, na cor verde, deixa de ser utilizado, passando o novo uniforme n.º 2 a ter a cor cinzenta, utilizando a maioria das peças de fardamento do uniforme n.º 1;

- É introduzido um blusão impermeável, como peça de fardamento do uniforme n.º 2;

- É introduzido um capote impermeável, como artigo complementar dos uniformes n.ºs 1 e 2;

- O blusão de pele, na cor cinzenta, mantém-se como artigo complementar do uniforme n.º 2;

- A cor das passadeiras dos uniformes n.ºs 1 e 2 dos Oficiais Generais é alterada para azul-ferrete;

- São alterados o padrão e as características do uniforme n.º 3, respondendo a maiores exigências operacionais (n.º 3A) e de qualidade para o serviço de guarnição (n.º 3B);

- Mantém-se em uso o atual uniforme camuflado, no padrão “floresta”, com a designação de uniforme n.º 4 (instrução), para distribuição aos alunos da AM e ESE e aos formandos dos cursos de formação de oficiais, sargentos e praças em RV/RC;

- As botas passam a ser de cor castanha;

- A boina do Exército passa a ser de cor preta, com duas fitas nas cores da bandeira nacional, podendo os militares com a especialidade de comandos, operações especiais e paraquedista usar a boina respectiva em unidades, forças constituídas e cerimónias específicas das referidas especialidades.

A implementação no Exército Português do novo RUE será realizada de acordo com orientações superiores a difundir, num prazo de transição de quatro anos, durante o qual a substituição e distribuição das peças de fardamento serão programadas e faseadas, tendo em consideração os prazos necessários à obtenção das novas peças de fardamento.

1 de outubro de 2019

NRP Viana do Castelo conclui missão no Canadá

(MGP)O navio de patrulha oceânico Viana do Castelo atracou ontem, dia 30 de Setembro, na Base Naval de Lisboa, após um intenso período durante o qual navegou cerca de 5.800 milhas náuticas, realizando acções de monitorização a navios de pesca numa área com cerca de 2.700.000 Km2, em águas internacionais no Atlântico Noroeste, denominada por área da convenção North Atlantic Fishing Organization (NAFO).

​​Para esta missão, realizada ao longo de todo o mês de Setembro, o navio contou com uma guarnição de 46 militares, à qual acresce quatro inspectores, sendo dois inspectores de pescas da Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM), um inspetor de pesca da entidade homóloga da Estónia e um coordenador da Agência Europeia de Controlo de Pescas (EFCA).

Ao longo dos anos, a Marinha Portuguesa tem empenhado meios navais para o desenvolvimento da actividade de monitorização da pesca na área NAFO, com inspectores comunitários e da DGRM, garantindo os compromissos assumidos por Portugal, naquela área do globo.

A participação dos navios da Marinha Portuguesa nesta parceria contribui para a protecção do ecossistema marinho e, consequentemente para a salvaguarda de um desenvolvimento económico sustentável. Desta forma, a Marinha contribui para a redução do impacto ambiental negativo que a pesca abusiva acarreta, numa região que hoje se constitui como importante fonte de alimento mundial – o fundo do mar dos Grandes Bancos da Terra Nova.

O navio realizou uma paragem logística em St. John's, um porto cuja história é indissociável das​​
campanhas da frota portuguesa de pesca à linha do bacalhau no mar da Terra Nova e na Gronelândia. Foi, até ao início dos anos 70, abrigo para milhares de pescadores portugueses, e paragem obrigatória para o reabastecimento de isco fresco, mantimentos, água e combustível. A visita a St. John's revestiu-se de significado especial, pela carga emocional e relevância histórica da ligação desta terra longínqua a Portugal.

​A missão foi concluída com a consciência de que a Marinha, através do NRP Viana do Castelo, patrulhou e apoiou a fiscalização nos Grandes Bancos da Terra Nova, dando também um contributo positivo e determinante para reforçar os laços existentes entre Newfoundland and Labrador e Portugal, assim como, manter viva a memória dos pescadores da “Portuguese White Fleet", cuja existência constitui parte significativa da nossa história.

Militares do Exército Argelino visitam Centro de Tropas de Operações Especiai

(Exército)O Exército, através do Centro de Tropas de Operações Especiais (CTOE), em Lamego, recebeu, entre os dias 17 a 19 de Setembro, uma delegação da entidade congénere do Exercito Argelino, no âmbito das Relações Bilaterais Portugal-Argélia para a vertente de Forças de Operações Especiais.

A delegação, constituída pelo Tenente-Coronel Boualem Medjahi e pelo Capitão Adel Khenissa, iniciou a visita no Quartel de Santa Cruz, onde foi recebida pelo Comandante do CTOE, Coronel Raul Matias, seguindo-se uma apresentação, que visou a missão e organização do CTOE, e uma visita guiada à colecção museológica da Unidade.

No Aquartelamento de Penude, os militares tiveram a oportunidade de assistir a um treino táctico de uma Unidade Táctica de Operações Especiais e de ficar a conhecer com maior pormenor os meios e capacidades da Força de Operações Especiais, através de uma exposição.

O programa incluiu algumas actividades de cariz cultural no qual os militares congéneres do Exercito Argelino ficaram a conhecer a região de Lamego e da Régua, nomeadamente o Museu de Lamego e o Museu do Douro, bem como a cidade do Porto.

30 de setembro de 2019

Comemorações do 209.º aniversário da Batalha do Buçaco

(Exército)O Exército Português, através da Direcção de História e Cultura Militar, comemorou o 209.º aniversário da Batalha do Buçaco, na Mata do Buçaco, concelho da Mealhada, local onde, no dia 27 de Setembro de 1810, o Exército Anglo-Luso derrotou o temido Exército Napoleónico, que invadia, pela terceira vez, o nosso país.

O hastear das bandeiras nacionais de Portugal, Reino Unido e França, seguindo-se um cortejo histórico-militar e religioso, no Terreiro do Monumento evocativo da Batalha do Buçaco, marcou o início das comemorações, ao que se seguiu a celebração de uma missa campal, destacando-se do programa comemorativo a cerimónia de Homenagem aos Mortos, com a deposição de coroas de flores junto ao monumento, assim como uma palestra, apresentada pelo Coronel Américo Henriques, sobre a Batalha do Buçaco.

27 de setembro de 2019

Paraquedista morre durante exercício militar

(Exército Português)"É com pesar que o Exército informa que hoje, pelas 09h40, faleceu um Militar Paraquedista de 34 anos, que se encontrava a participar no exercício multinacional Real Thaw 2019, na Base Aérea N.º 11, em Beja.

Durante a execução de um salto de queda livre operacional, o sistema de para-quedas não funcionou devidamente, tendo resultado na queda do nosso Militar dentro do perímetro da Base Aérea N.º 11.

Foram accionados os procedimentos de emergência médica e o Exército encontra-se a realizar o processo de averiguações para apurar todas as circunstâncias em que ocorreu este acidente, tendo sido accionado o apoio psicológico.

Num momento de profunda dor para o Exército com a perda de um dos nossos, enviamos as mais sentidas condolências à Família e Amigos".

Força de Fuzileiros e Mergulhadores regressa este sábado a Portugal

(Emgfa)A Força de 146 militares da Marinha Portuguesa (140 Fuzileiros e 6 Mergulhadores) que esteve, durante cerca três meses, em missão na Lituânia, no quadro das medidas de tranquilização da NATO para o flanco leste da Europa, regressa este sábado, dia 28 de Setembro, a Portugal.

Esta Força esteve sediada em Klaipeda, na Costa do Mar Báltico, e englobou um Elemento de Operações Especiais e um Elemento de Projecção de Força, o qual inclui a equipa de mergulhadores-sapadores.

A missão teve como objectivo reforçar a presença de forças aliadas na Lituânia e conduzir treinos e exercícios combinados, com vista à obtenção de elevados níveis de prontidão e interoperabilidade.

A Força desenvolveu, neste âmbito, um programa de actividades que incluiu exercícios de operações anfíbias no Mar Báltico e exercícios de defesa contra forças convencionais e irregulares, de grande realismo, assim como exercícios de operações especiais, incluindo um grande exercício em que o Elemento de Operações Especiais foi certificado para integrar uma Força Combinada NATO, que permanecerá em elevada prontidão durante o ano de 2020 (parte das “NATO Response Forces”).

Esta foi a primeira vez que uma equipa de mergulhadores integrou esta missão, dando à Força a valência de inativação de engenhos explosivos, guerra de minas e apoio a operações anfíbias.

26 de setembro de 2019

"BISONTES" CELEBRAM 42.º ANIVERSÁRIO E 80 MIL HORAS DA FROTA C-130H

Foto de André Garcez Photography
(FAP) A Esquadra 501 – "Bisontes" celebrou o 42.° Aniversário no dia 21 de Setembro, mês em que foram também atingidas as 80 mil horas da frota C-130H.

Para assinalar a marca, os Bisontes inauguraram uma pintura comemorativa do primeiro avião, o 16801.

Este projecto foi possível graças ao apoio de todos os Bisontes, mas com grande destaque para as pessoas e entidades que deram apoio directo ao projecto: Miguel G. Amaral; Guilhermino Pinto; Associação Portugal Spotters (APS)/Portugal Spotters; Thrustmaster; Fortis; Ponto das Artes; 509th Tigers e a Esquadra de Manutenção de Material Aéreo da Base Aérea N.º 6, Montijo.

25 de setembro de 2019

Equipa de Engenharia Militar é projectada para a República Centro-Africana

(Exército)O Exército, através do Regimento de Engenharia N.º 3, projectou uma Equipa de Engenharia Militar para o Teatro de Operações (TO) da República Centro-Africana, entre 21 de Junho e 13 de Setembro.

A Equipa projectada teve como principal missão executar trabalhos de engenharia, essencialmente orientados para a melhoria e adequação das infraestruturas relacionadas com a operação e manutenção de equipamentos e viaturas.

A equipa constituída por 1 Oficial, 1 Sargento e 10 Praças, materializou a construção de um conjunto de infraestruturas, que garantem a sustentabilidade das Viaturas Blindada de Rodas PANDUR 8X8 e dos Veículos Blindados de Transporte de Pessoal HUMVEE, viaturas que equipam a Força de Reacção Rápida, no âmbito da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas.

Os trabalhos desenvolvidos incluíram a construção de 3 parques cobertos, de 1 tenda oficina, dedicada à manutenção das PANDUR, e 1 tenda que irá ser utilizada como terminal da Força, com os inerentes trabalhos de instalação da rede eléctrica de cada infraestrutura.

Para o efeito executaram-se diversos trabalhos de movimentação de terras, execução de fundações em betão armado e montagem de estruturas metálicas, demonstrando, desta forma, as diversas capacidades e meios da Engenharia Militar, numa das suas importantes missões de Apoio Geral de Engenharia.

24 de setembro de 2019

Inscrições abertas para workshop sobre tecnologias marinhas 'Marinetech 2019'

(MGP)​​​​​​​​​O Marinetech é um workshop dedicado às Tecnologias Marinhas onde laboratórios de instrumentação, agentes de comercialização, investigadores, operadores económicos no domínio do mar, entidades públicas e privadas responsáveis por operações no mar e outros agentes económicos, com interesses directos ou indirectos no meio marinho, se juntam para partilhar experiências, sucessos e dificuldades, críticas, anseios e perspectivas de desenvolvimento.

A 3ª edição do Marinetech irá ocorrer no Centro de Congressos do Estoril, de 3 a 5 de Dezembro de 2019.

Para mais informação consulte o site: marinetech.hidrografico.pt

23 de setembro de 2019

CERIMÓNIA DE ABERTURA DA 11.ª EDIÇÃO DO REAL THAW 2019

(FAP)Realizou-se ontem, dia 22 de Setembro, a cerimónia de abertura da 11.ª edição do exercício Real Thaw 2019, na Base Aérea N.º 11, em Beja.

O evento contou com a presença de militares dos vários ramos e de diferentes nacionalidades.

A cerimónia foi presidida pelo Director de Operações Aéreas, Coronel João Caldas, acompanhado pelo Exercise Control Chief, Tenente-Coronel Jorge Gonçalves, e pelo Comandante da Unidade, Coronel Fernando da Costa.

O Real Thaw é um exercício militar, organizado pela Força Aérea Portuguesa, que este ano conta com o envolvimento da NATO, França, Espanha e Estados Unidos.

22 de setembro de 2019

20 de setembro de 2019

A fragata “Corte-Real” participa no exercício GABIAN 19.3

(Emgfa)A fragata “Corte-Real” da Marinha Portuguesa, esteve no sul de França a participar no exercício naval GABIAN 19.3 e na cerimónia de entrega de comando da EUROMARFOR, que passou agora para a responsabilidade da Marinha Francesa.

O exercício realizou-se entre 16 e 19 de Setembro, e contou com a participação da fragata “Corte-Real” e de outros navios das Marinhas Francesa, Italiana e Espanhola. Durante o exercício, os militares portugueses participaram em séries de defesa aérea, tiro real, operações com helicópteros e reabastecimento no mar.

No dia 19 de Setembro, a bordo do Porta-helicópteros anfíbio francês FS Tonnerre, realizou-se a cerimónia de entrega de comando da EUROMARFOR para a Marinha Francesa, que foi presidida pelo Chefe do Estado-Maior da Armada Francesa, Almirante Christophe Prazuck.

A EUROMARFOR é agora comandada pelo Vice-almirante Jean-Philippe Rolland, Commandant de la Force d’Action Navale, que sucede ao Vice-almirante Gouveia e Melo, Comandante Naval da Marinha Portuguesa, no comando desta Força desde Setembro de 2017.

Esta Força Marítima Europeia é uma força naval multinacional, não permanente, criada em 1995 pela Espanha, França, Itália e Portugal, e é activada especificamente para o cumprimento de missões ou operações navais, aéreas e anfíbias, podendo, num curto espaço de tempo, constituir-se como uma força pronta para actuar e ser empregue em missões humanitárias e de salvamento, manutenção e restabelecimento da paz e de combate em gestão de crises.

A bordo da “Corte-Real”, além da respectiva guarnição, encontra-se um helicóptero orgânico, uma equipa de segurança, uma equipa médica e uma equipa de mergulhadores, perfazendo um total de 185 elementos.

19 de setembro de 2019

Inauguração da nova Estação de Ancoragem de Santa Margarida

(Emgfa)A nova Estação de Ancoragem de Santa Margarida, inaugurada esta manhã, vai potenciar comando operacional de forças pelo Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas.

Esta Estação representa uma evolução tecnológica nas comunicações militares, melhorando as capacidades de comando e controlo operacional do CEMGFA no exercício do Comando Operacional das forças e meios, da componente operacional do sistema de forças, nos termos previstos na lei.

A cerimónia de inauguração, teve lugar na Brigada Mecanizada em Santa Margarida e contou com a presença do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Almirante António Silva Ribeiro, do Chefe do Estado-Maior do Exército, General Nunes da Fonseca, do Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General Nunes Borrego e do Vice- Chefe do Estado-Maior da Armada, Vice-almirante Novo Palma.

Desenvolvida para uma aplicação primariamente vocacionada para o comando e controlo das operações militares, a Estação de Ancoragem de Santa Margarida pode, também, ser utilizada no âmbito das missões de apoio a emergências civis e de protecção e salvaguarda de pessoas e bens.

18 de setembro de 2019

Marinha Portuguesa e Marinha do Brasil assinam acordo para Estágio de Formação Inicial de Marinheiros em São Tomé e Príncipe

(MGP)No âmbito do plano de emprego combinado entre a Marinha do Brasil e a Marinha Portuguesa, em prol da capacitação da Guarda Costeira de São Tomé e Príncipe, foi assinado o documento que permite a criação do Estágio de Formação Inicial de Marinheiros, no passado dia 16 de Setembro, na cidade de São Tomé.

​​Este estágio tem como objectivo complementar a formação recebida pelos militares do Serviço Militar Obrigatório, durante a sua Formação Militar Geral. Com uma duração de quatro semanas, o estágio será leccionado por formadores brasileiros, santomenses e portugueses, muitos deles receberam formação no âmbito da missão de Capacitação da Guarda Costeira de São Tomé e Príncipe através do NRP Zaire.

A assinatura deste documento ilustra​ a importância da cooperação entre países lusófonos, contribuindo, através de um esforço conjunto, para a segurança na região do Golfo da Guiné.

O navio patrulha Zaire, actualmente operado por uma guarnição mista, constituída por militares portugueses e santomenses, prossegue a sua missão de Capacitação da Guarda Costeira de São Tomé e Príncipe.

Navio patrulha oceânico Setúbal inicia missão nos Açores

(MGP)O navio patrulha oceânico Setúbal inicia amanhã, dia 18 de Setembro, a sua missão nos Açores, para guarnecer o dispositivo naval daquele arquipélago até ao dia 29 de Dezembro.

​O NRP Setúbal tem por objectivo guarnecer o dispositivo naval nos Açores, desenvolvendo tarefas específicas no âmbito da busca e salvamento marítimo, da monitorização e controlo da pesca e da navegação, da prevenção e combate à poluição marinha e na prevenção e combate a actividades ilegais, como o narcotráfico.

Para além das tarefas acima referidas, o navio poderá ser empregue em operações militares e está capacitado para dar apoio humanitário na sequência de desastre naturais, tendo um importante papel no apoio à estrutura da Protecção Civil dos Açores

EPSILON FAZ 30 ANOS DE SERVIÇO E 100 MIL HORAS DE VOO

(FAP)A Esquadra 101 – “Roncos” assinalou em Setembro os 30 anos da chegada do primeiro Epsilon TB-30 a Sintra e as 100 mil horas de voo destas aeronaves ao serviço da Força Aérea.

As datas foram comemoradas no dia 14 de Setembro, numa cerimónia em que foi possível reunir pilotos instrutores e pessoal da manutenção da Esquadra, e que contou com a presença do Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General Joaquim Borrego, do Comandante Aéreo, Tenente-general Eurico Craveiro, e do Tenente-general Carlos Gromicho, RONCO 01, que, juntamente com o Capitão Hungria Teixeira, pilotou em 1989 a primeira aeronave Epsilon, de França até à Base Aérea N.º 1.

Ao longo das três décadas de operação do Epsilon, foram formados 480 pilotos militares e 119 pilotos instrutores, tendo as 100 mil horas de voo sido atingidas no dia 27 de Junho deste ano. Este marco deu origem à pintura comemorativa da aeronave 11402.

Exército comemora o Dia do Comando das Forças Terrestres e da Brigada de Reacção Rápida

(Exército)Decorreu ontem, no Aeródromo Militar de Tancos, a cerimónia comemorativa do aniversário do Comando das Forças Terrestres (CFT) e do 14º aniversário da Brigada de Reacção Rápida (BrigRR).

Presidida pelo Chefe do Estado-Maior do Exército, General José Nunes da Fonseca, a cerimónia contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova da Barquinha, Dr. Fernando Santos e Freire, do Presidente da Assembleia Municipal de Vila Nova da Barquinha, Dr. António Augusto Ribeiro, entre outras entidades militares e civis.

O Vice-Chefe do Estado-Maior do Exército e Comandante das Forças Terrestres, Tenente-General Davide Guerra Pereira, no seu discurso, reformou e renovou a sua confiança, apreço e reconhecimento a todos os que servem o Comando das Forças Terrestres, destacando o trabalho desenvolvido no âmbito do Treino Operacional, “o cerne do CFT", do apoio à protecção e salvaguarda de pessoas e bens, da edificação de capacidades e da preservação da cultura e história militar.

A elevada prontidão da BrigRR foi destacada pelo Tenente-General Guerra Pereira, ao referir “que sendo uma Força Ligeira de primeiro emprego, expedicionário e modelar com nichos de conhecimento ímpares no Exército" mantém constantemente uma elevada capacidade operacional “certificada, credível e sustentável", salientando, a título de exemplo, a forma como “a NATO, a UE e a ONU relevam o excepcional espírito de missão e exemplos de coragem moral e física" das sucessivas Forças que esta Brigada tem aprontado.

O Chefe do Estado-Maior do Exército enalteceu o CFT, que “se constitui, para o Exército, uma das suas mais relevantes entidades", uma vez que lhe compete a responsabilidade de assegurar a preparação e a subsistência da Força gerada pelo Exército, em todos os seus empenhamentos.

No que respeita à efeméride da BrigRR, o General José Nunes da Fonseca realçou “a particularidade e prontidão" das Forças que integra, especificamente preparadas para atuar em cenários complexos e de elevado risco, enaltecendo que “a coragem, bravura e patriotismo dos militares da Brigada" têm originado sinceras e generalizadas manifestações de reconhecimento e apreço, “frequentemente emanadas pelas mais altas instâncias e organismos internacionais".

Após o desfile das Forças em Parada, onde todas as Unidades que compõem a estrutura operacional da BrigRR estavam representadas, seguiu-se uma demonstração de capacidades e meios ao nível terrestre e aeroterrestre, realizada em estreita colaboração com a Força Aérea Portuguesa, que realizou uma passagem de C295M da Esquadra 502 e C130 da Esquadra 501 - Bisontes.

O evento culminou com uma visita à exposição estática, onde estavam expostos um conjunto significativo de equipamentos principais, das Unidades Operacionais da BrigRR, com destaque para a nova viatura tática ligeira blindada, URO VAMTAC ST5.

17 de setembro de 2019

Ministra da Defesa Nacional da República Centro-Africana visita Regimento de Comandos

(Exército)A Ministra da Defesa Nacional da República Centro-Africana (RCA), Eng. Marie-Noëlle Koyara, visitou ontem o Regimento de Comandos (RCmds), na Serra da Carregueira, tendo sido recebida pelo Chefe do Estado-Maior do Exército, General José Nunes da Fonseca, pelo Comandante das Forças Terrestres, Tenente-General Davide Guerra Pereira, estando presentes outras entidades militares.

No RCmds, após serem prestadas as honras, a Ministra da Defesa Nacional da RCA participou na cerimónia de homenagem aos “Mortos Comandos", seguindo-se uma apresentação que visou a missão, a organização, a formação ministrada pela Unidade, o emprego e o treino do encargo operacional do Regimento.

A delegação visitante ficou a conhecer mais em pormenor a realidade dos “Comandos" do Exército Português ao visitar uma exposição de equipamentos, meios e capacidades do Batalhão de Comandos.

No decorrer do encontro foram realçadas as diversas missões que têm sido atribuídas aos “Comandos", em especial a da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização na RCA, na qual tem sido destacada a importância das Forças portuguesas naquele Teatro de Operações.

16 de setembro de 2019

Primeiro-Ministro preside à “Apresentação da Nova Arma Ligeira do Exército Português”

(Exercito)No âmbito do projecto do Armamento Ligeiro, inserido no Programa Sistemas do Combate do Soldado, o Exército apresentou hoje, na Escola das Armas, em Mafra, a Nova Arma Ligeira, a Espingarda de Assalto SCAR-L, que irá progressivamente substituir a Espingarda Automática G3.

Este evento foi presidido pelo Primeiro-Ministro, Doutor António Costa e contou com a presença do Ministro da Defesa Nacional, Professor Doutor João Gomes Cravinho, do Chefe do Estado-Maior do Exército, General José Nunes da Fonseca, entre outras entidades militares e civis.

O projecto Armamento Ligeiro visa substituir a família de armas ligeiras, a maioria ao serviço desde a década de 60, nomeadamente a Espingarda Automática G3. O processo aquisitivo deste Armamento Ligeiro foi conduzido na NATO Support and Procurement Agency (NSPA) e o concurso internacional, que terminou em Fevereiro deste ano, culminou com a assinatura do Outline Agreement, entre esta agência e a FN Herstal.

Neste âmbito, o Exército passará a estar equipado com uma nova família de armas ligeiras, nomeadamente a Espingarda de Assalto SCAR-L, a Espingarda de Atirador Especial SCAR-H, a Metralhadora Ligeira MINIMI 5.56 MK3, a Metralhadora Média MINIMI 7.62 MK3 e o Lança Granadas 40GL-SMK2, sendo que de momento encontra-se a decorrer no Exército a preparação da receção dos equipamentos, que engloba a formação técnica das novas Armas, a elaboração manuais, como por exemplo um novo manual de ordem unida e a elaboração de novas tabelas de tiro.

Do projecto de reequipamento vão resultar a aquisição de 15 000 Espingardas automáticas SCAR-L, 2 000 Lança Granadas FN40, 1 000 metralhadoras ligeiras Minimi 5,56mm, 550 espingardas de precisão SCAR-H e 400 Minimi 7.62mm. Também ao nível dos aparelhos de pontaria para estas armas, serão introduzidas novas ópticas, que melhorarão a precisão e a rapidez de empenhamento.

Do programa do evento destaca-se, ainda, as demonstrações de tiro de precisão, do emprego da arma em ambiente táctico e de ordem unida.