18 de fevereiro de 2016

Pilotos da Força Aérea recebem instrução em aviões da Guerra do Ultramar

É em aeronaves do tempo da guerra colonial que a Força Aérea ainda forma os seus pilotos de helicópteros. E os que vão para os caças F-16 fazem o treino complementar na frota dos Alpha Jet, oferecidos em 1994 pela Alemanha a Portugal e agora com quase quatro décadas de vida.

Daí estarem já em curso estudos sobre a solução a implementar nos próximos três anos, soube o DN junto de fontes militares. As soluções possíveis - porque não há dinheiro para adquirir novos meios aéreos até 2018, mesmo em segunda mão - apontam para o recurso a empresas privadas ou o envio dos formandos para o estrangeiro, assumiram os oficiais envolvidos no processo e ouvidos na condição de não serem identificados.

O problema reside na impossibilidade de estender "para lá de 2018" o tempo de vida útil dos helicópteros ligeiros Alouette III - que são do tempo da guerra colonial - e dos Alpha Jet, alertou uma das fontes. "Em ambas as frotas, o apoio logístico ou deixou de existir ou é de tal maneira caro que não é comportável", assumiu o mesmo oficial.

Pior, "mesmo que houvesse mais dinheiro, teria de se pensar muito bem se seria possível aumentar a taxa de esforço [número de horas voadas anualmente] das duas frotas, para não apressar o fim de vida útil" dos Alouette e dos Alpha Jet (ambas as frotas sedeadas na base aérea de Beja), sintetizou outro responsável da Força Aérea.

O assunto foi abordado com o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, quando este realizou há poucas semanas a sua primeira visita à Força Aérea, confirmou ao DN o porta-voz do ramo. O coronel Rui Roque adiantou que, em 2015, os Alouette voaram 1300 horas (com um custo estimado de 1100 euros cada uma), enquanto os Alpha Jet operaram 600 horas (3300 euros).

Registe-se que dois dos seis helicópteros ligeiros - usados na instrução elementar e complementar dos respectivos pilotos - ainda estão em alerta permanente diário, para operações de busca e salvamento costeiro (até às cinco milhas, um em Ovar e o outro em Beja).

No caso dos seis dos 50 Alpha Jet recebidos por Portugal que ainda operam, tendo entrado ao serviço da Força Aérea alemã a partir de 1978, realizaram o último voo operacional com a Cruz de Cristo no final de 2005. Desde então servem unicamente para a instrução avançada dos aviadores destinados aos caças F-16.

Outro oficial envolvido nos trabalhos de pesquisa do mercado resumiu o problema de forma pragmática. "Há uma questão que temos sempre presente: com o orçamento que há, hoje em dia não é realista estar a pedir dinheiro para comprar tudo e mais alguma coisa... e se não é realista não é exequível!"

A procura de soluções alternativas ainda está numa fase embrionária", em que os responsáveis da Força Aérea - e da tutela, que aguarda o memorando do ramo com as várias hipóteses - procuram uma que seja "economicamente viável e sem estar a carregar o orçamento", precisou um oficial general.

"Temos de fazer uma análise custo/eficácia" sobre a melhor solução, que passa por saber "quantos pilotos precisamos de formar por ano e qual o seu custo versus outras opções", referiu esta fonte, apontando como exemplo o caso da formação dos pilotos aviadores destinados aos caças F-16: "No mercado de instrução internacional há opções em que os países não são donos dos aviões... há uma empresa que os tem e vende horas de voo. Numas Forças Aéreas é a própria empresa que opera e a única coisa que se paga são as horas e o pessoal, noutras os aviões são disponibilizados e é o ramo que os opera."

O caso dos helicópteros ligeiros é diferente: trata-se de uma capacidade conjunta que envolve a instrução de pilotagem e o cumprimento de missões operacionais e de interesse público tanto da Força Aérea como do Exército.

Quanto aos alunos actualmente em formação como pilotos aviadores, a Academia da Força Aérea tem 71 cadetes. Desse total, três são mulheres e 16 já estão no tirocínio (só dedicados ao voo), disse Rui Roque.  (DN)