6 de janeiro de 2018

Esquadra 501 crucial na manutenção de acordos internacionais

A Esquadra 501 – ‘Bisontes’ demonstrou, no segundo semestre de 2017, a sua capacidade estratégica, mostrando-se essencial para a manutenção dos acordos e compromissos com os países aliados e organizações internacionais, facilitando a ponte entre os militares em Forças Nacionais Destacadas (FND) e o território nacional.

Além do apoio à missão MINUSCA na República Centro Africana, os ‘Bisontes’ efectuaram a projecção e retração do destacamento dos militares da Força Aérea integrantes na missão Assurance Measures, que auxiliaram a Força Aérea Romena a receber os seus novos F-16, modernizados por Portugal. Toda missão foi optimizada voando a ligação, também, com Bases Aéreas na Holanda, aumentando assim a eficiência de toda a operação.

A projecção e retração da missão Assurance Measures contou com a ligação entre três Bases Aéreas, efectuando um total de 108 horas de voo, no transporte de mais de 87 toneladas de carga e 108 passageiros.

A Esquadra 501 demonstrou ainda a flexibilidade do Poder Aéreo na retracção das Operações Sophia e Indalo, em que estiveram envolvidas a Esquadra 601 – ‘Lobos’, da Base Aérea N.º 11, e a Esquadra 502 – ‘Elefantes’, da Base Aérea N.º 6. A missão consistiu na recuperação de militares e material envolvidos nas operações Sophia, que ocorreu em Sigonella – Itália, e Indalo, sediada em Málaga - Espanha. Nesta missão, a Esquadra 501 cumpriu 15h35 de serviço aéreo, tendo executado mais de 09h00 de voo, durante as quais transportou mais de 11 toneladas de carga e 23 passageiros. A elevada capacidade de planeamento e flexibilidade fez com que as duas retratações fossem executadas de forma combinada, optimizando assim os esforços e recursos necessários. (FAP)