9 de abril de 2018

Militares portugueses mortos na 1ª Guerra Mundial homenageados hoje em França

Decorrem durante o dia de hoje, 9 de Abril, as cerimónias que assinalam os 100 anos da Batalha de La Lys, no Cemitério Militar Português de Richebourg e junto ao Monumento aos Portugueses mortos na Grande Guerra em La Couture, na região de Nord-Pas-de-Calais, no norte de França.

Há precisamente 100 anos, na madrugada de 9 de Abril de 1918, o Império Alemão desencadeou uma das suas últimas ofensivas no contexto da Primeira Guerra Mundial. Debaixo de um intenso nevoeiro, nos campos da Flandres francesa, 136 mil homens com 1500 peças de artilharia atacaram as forças aliadas, que contavam com cerca de 40 mil homens, dos quais 16 mil portugueses.

A «Operação Georgette», comandada pelo general Ferdinand von Quast, foi particularmente sentida no sector onde se encontrava a 2ª divisão do Corpo Expedicionário Português (CEP), nas margens do rio Lys.

Quando se deu o ataque alemão, os portugueses esperavam ser rendidos, no dia seguinte, por tropas inglesas. Em poucas horas, o CEP perdeu 7500 homens, entre mortos, desaparecidos, feridos e prisioneiros. Em poucas horas morreram 400 soldados portugueses e quase sete mil foram feridos e feitos prisioneiros pelos alemães.

Apesar do balanço trágico para os portugueses, a Batalha de La Lys permitiu travar o avanço alemão, que facilitou a vitória dos Aliados.

As cerimónias militares, em que os bravos e corajosos soldados portugueses que combateram na Primeira Guerra Mundial e na Batalha de La Lys vão ser homenageados, contam com a presença do Presidente da República, Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa e do Chefe de Estado Francês, Emmanuel Macron, do Primeiro-Ministro, Dr. António Costa, do Ministro da Defesa Nacional, Professor Doutor José Azeredo Lopes, do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Almirante António Silva Ribeiro, do Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General Manuel Teixeira Rolo, do Chefe do Estado-Maior do Exército, General Frederico Rovisco Duarte, do Vice-chefe do Estado-Maior da Armada, Vice-almirante Jorge Novo Palma, de uma representação das Forças Armadas portugueses constituída por uma companhia com cadetes da Escola Naval, da Academia Militar e da Academia da Força Aérea, entre outras entidades civis e militares portuguesas e francesas. (Emgfa)