9 de março de 2016

PORTUGAL E A GRANDE GUERRA

09 de Março de 1916 - A Alemanha declara guerra a Portugal invocando como motivo a requisição dos navios. Os interesses alemães em Portugal passam a ser representados pela Espanha. O barão Von Rosen, ministro alemão, sai de Lisboa a 10 de Março, ao mesmo tempo que Sidónio Pais sai de Berlim.

Criado o governo da “União Sagrada” para preparar a beligerância portuguesa. Apesar do nome, o executivo só tinha o apoio de 2 partidos republicanos; os unionistas não participam e todas as outras forças políticas são críticas e continuam a colocar fortes reservas ao envio de forças para França.

27 de Março - Portugal participa numa primeira reunião com os Aliados em Paris.

Depois da beligerância é reformulada a Divisão de Tancos. Esta cresce com o reforço de artilharia e metralhadoras, para um quadro de 34000 homens. Pensa-se ainda enviar para França somente uma Divisão e não um Corpo de Exército. Seria formada por 3 Brigadas de Infantaria (cada com 2 Regimentos e 3 Batalhões), 7 Grupos de Artilharia (4 com peças 7,5cm T.R. m/904 e 3 com obuses mais pesados, sem indicação de modelo), 9 Baterias de morteiros e serviços de Engenharia, Saúde, Transmissões e Logística, apoiada por uma reserva de 5705 homens. As Unidades provenientes de todas as Regiões Militares começam a convergir para Tancos na primavera de 1916 – criada a “Cidade Branca”, a cor das tendas. (Exército)