7 de abril de 2016

Fragata Vasco da Gama reforça cooperação militar em Cabo Verde

Em declarações à agência Lusa, o adido de Defesa de Portugal em Cabo Verde, comandante Pinto e Lobo, explicou que a fragata ficará na Praia até quarta-feira, período durante o qual realizará acções para "reforço da formação na área da cooperação técnico-militar" com fuzileiros cabo-verdianos.

O navio segue depois para o Golfo da Guiné para participar nos exercícios "Saharan Express" e "Obangame 2015".

Estes dois exercícios fazem parte dos quatro exercícios marítimos regionais promovidos anualmente em África pela marinha norte-americana, integrados no programa Africa Partnership Station.

Com a participação de forças de países da NATO e africanos, o objectivo principal destes exercícios é o fortalecimento de parcerias marítimas globais através de actividades de formação e de colaboração para melhoraria da segurança marítima nas regiões do Golfo da Guiné e da costa ocidental africana.

A fragata regressará a Cabo Verde, ao porto do Mindelo, na ilha de São Vicente, a 17 de Abril para mais exercícios envolvendo militares cabo-verdianos, devendo deixar São Vicente em direcção a Portugal a 19 de Abril.

A Vasco da Gama zarpou da Base Naval de Lisboa a 29 de Fevereiro para uma missão que terá a duração de dois meses.

A missão visa contribuir para o esforço da comunidade internacional na capacitação dos países da região do Golfo da Guiné na segurança marítima e marcar presença junto dos países africanos de língua portuguesa, através da dinamização dos projectos em curso de cooperação técnico militar.

Além da participação nos exercícios do US Africom, o navio participará em acções bilaterais de treino e formação com as guardas costeiras e marinhas de Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Angola.

A fragata Vasco da Gama é comandada pelo capitão-de-fragata Neves Rodrigues, tem embarcados 185 militares, incluindo uma secção de fuzileiros, uma equipa de mergulhadores de combate e uma equipa médica de treino e assistência humanitária.

Durante a missão irá embarcar vários militares de marinhas de países da região, nomeadamente de Angola.

Em 2015, Portugal participou nestes exercícios navais com a fragata Bartolomeu Dias. (Lusa/Sapo)