25 de outubro de 2016

NATO conclui preparativos para enviar batalhões para fronteira com a Rússia

Os ministros da Defesa dos países da NATO vão ultimar esta quarta e quinta-feira os preparativos do envio de quatro batalhões para a fronteira com a Rússia, numa acção “para evitar o conflito” com Moscovo, disse o secretário-geral da Aliança.

Na reunião dos ministros da Defesa, no quartel-general da NATO, Bruxelas, os 28 países da Aliança vão dar seguimento às decisões tomadas na cimeira de Varsóvia, em Julho, prevendo-se que o envio de até quatro mil militares, em quatro batalhões, para a Lituânia, Estónia, Letónia e Polónia, com forças de vários países, se inicie em 2017.

Esta acção insere-se na estratégia de “dissuasão” da NATO na frente leste, “não para provocar o conflito, mas para evitar o conflito”, disse o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, numa conferência de imprensa destinada a apresentar os trabalhos da presente cimeira.

A intervenção de Moscovo no conflito ucraniano, e o apoio russo aos separatistas no leste daquele país do ex-bloco soviético preocupam a Aliança Atlântica, que para já não prevê mudanças de planos em relação ao que foi decidido em Julho.

O que a NATO faz é defensivo e em linha com os compromissos internacionais”, afirmou, frisando que a Aliança Atlântica “continua a querer um diálogo construtivo com Rússia”.

A Alemanha, o Reino Unido, o Canadá e os EUA deverão anunciar esta quarta-feira mais detalhes sobre os batalhões que vão comandar nos países bálticos e na Polónia e que incluirão forças de “mais dez ou doze países”.

Segundo o representante diplomático permanente dos EUA na NATO, Douglas E. Lute, as forças norte-americanas estarão operacionais em Junho de 2017.

Portugal não irá participar nesta missão, mas o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, já se comprometeu com a missão da NATO para a formação e treino de forças militares no Iraque, que deverá formar cerca de 350 oficiais nos próximos meses.

Está também em aberto se Portugal vai participar noutra missão da NATO em 2017, depois de ter aprovado, no início do mês, a retirada das tropas da missão da Aliança no Kosovo, ao fim de 18 anos.

Numa declaração à Lusa, o ministro português da Defesa, Azeredo Lopes, ressalvou na altura que “é certo” que o governo pretende manter o mesmo nível de empenhamento na NATO, depois da retirada da missão do Kosovo.

Sobre a missão no Kosovo, o secretário-geral da NATO disse esta terça-feira que a missão da Aliança Atlântica é para continuar naquele teatro de operações: “Ainda não terminámos o que lá fomos fazer“, disse.

Os ministros da Defesa da NATO vão também dar continuidade aos planos para reforçar a presença no Mar Negro, definindo o tipo de infraestrutura necessária a uma “rápida projecção” das forças aliadas na Europa.

A agenda da cimeira inclui o reforço da cooperação entre a NATO e a União Europeia, prevendo-se esta quinta-feira uma reunião com a Alta Representante da UE para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Federica Mogherini.

Segundo Jens Stoltenberg:

A relação entre a NATO e a União Europeia nunca foi tão próxima”.

O secretário-geral destacou ainda a criação recente de uma nova divisão na Aliança para melhorar as “informações militares” e visando mais coordenação na área das informações no seio da NATO.

Na cimeira, os governantes vão também decidir “o futuro do destacamento no Mar Egeu” e tomar decisões “sobre o papel da NATO no Mediterrâneo central, que pode passar por apoiar a operação SOPHIA”, de vigilância das redes de traficantes de migrantes, através da “partilha de informação e logística”.

O apoio ao combate ao grupo terrorista Estado Islâmico, liderado pela coligação internacional, é também uma prioridade da NATO, acentuou Jens Stoltenberg. (Observador)