28 de fevereiro de 2017

Armada reforça meios permanentes no mar

A Marinha vai reforçar o dispositivo naval padrão, que está sempre no mar para missões de busca e salvamento e fiscalização de pescas e ilícitos, com mais duas embarcações, uma nos Açores e outra na Madeira. Serão assim onze os navios permanentemente em missão, a que se acrescentam outros três prontos a largar da Base Naval de Lisboa. 

"É uma decisão em função da directiva de planeamento do Chefe do Estado Maior da Armada [almirante Silva Ribeiro]. O reforço será realizado com navios hidrográficos", explica ao CM o comandante naval, vice-almirante Gouveia e Melo. Estes hidrográficos "além de busca e salvamento e eventuais acções de fiscalização, irão também estar comprometidos nas suas campanhas de oceanografia, hidrografia e cartografia náutica", assegura. 

O dispositivo naval padrão passará assim dos actuais 11 para 14 navios. "São 1500 homens e mulheres diariamente empenhados, 365 dias por ano", afirma. Onze navios estarão nas suas zonas definidas de missão. Os restantes três "são a reserva e serão pré-posicionados em função de circunstâncias especiais", como no início de Fevereiro com o mau tempo no mar. 

A Armada quer ver a formação que dá aos seus praças "reconhecida no catálogo nacional de qualificações" por forma a que "terminado o contrato na Marinha esses consigam ver reconhecidas as qualificações", afirma ao CM o vice-almirante Jorge Novo Palma, superintendente do pessoal da Marinha. 

Em 2016 foram preenchidas apenas 401 das 880 vagas (45%) para praças. "A dificuldade em recrutar praças no regime de contrato é mais um desafio do que um problema. Estamos a melhorar as condições", diz. (Correio da Manhã)