9 de maio de 2018

MINISTRO DA DEFESA NACIONAL IMPRESSIONADO NA DESPEDIDA DO EXERCÍCIO ORION18

 Foto: mediotejo.net
O Ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, esteve no Campo Militar de Santa Margarida no último dia do ORION18, exercício multinacional que testou as capacidades da Componente Operacional do Sistema de Forças do Exército Português entre 28 de Abril e 8 de Maio. A visita incluiu uma demonstração de capacidades e meios com fogos reais que o ministro considerou “espectacular”.

O último dia do ORION18 foi assinalado com a visita do Ministro da Defesa Nacional ao Campo Militar de Santa Margarida (CMSM), acompanhado pelo Chefe do Estado-Maior do Exército, General Frederico Rovisco Duarte, e o presidente da Câmara Municipal de Constância, Sérgio Oliveira. A comitiva integrou ainda representantes de entidades regionais, nacionais e internacionais, no último caso com a presença dos militares espanhóis e lituanos que, juntamente com a Cruz Vermelha, participaram no ORION18.

Seguiu-se a visita à exposição estática guiada pelo Comandante do Batalhão de Apoio de Serviços, Tenente-Coronel Félix, onde estavam presentes alguns dos mais de 2400 militares e de 500 viaturas – como o carro de combate Leopard 2 A6, viatura blindada de transporte de pessoal M113, viatura de artilharia M109, viatura blindada ligeira M11 Panhard e viatura de combate de infantaria Pizarro – envolvidos no ORION18. Destes, 1800 militares e 100 viaturas no âmbito da certificação.

Os CC Leopard e as VCI Pizarro participaram na demonstração de capacidades e meios com fogos reais realizada mais tarde na Carreira de Tiro D. Pedro. O cenário envolveu uma reacção a emboscada conduzida por um pelotão lituano, um ataque deliberado com uma brigada de escalão de companhia com militares portugueses e espanhóis e o apoio de fogos de artilharia foi assegurado por duas baterias de artilharia espanholas e um pelotão de morteiros português.

No final, o Ministro da Defesa Nacional considerou a demonstração “espectacular” e destacou que o exercício explicado momentos antes pelo Tenente-Coronel de Infantaria João Barros foi “executado de forma absolutamente exemplar”. Na sua intervenção salientou que “não se consegue competência, não se consegue capacidade sem treino exigente, sobretudo, sem a realização de exercícios tão próximos quanto possível daquilo que nós antecipamos e esperamos que nunca aconteça”.

O “trabalho invisível que envolveu milhares de pessoas das Forças Armadas Portuguesas, de Espanha e da Lituânia” e a forma “competente” como este exercício, que integra o plano dos realizados pela NATO, foi “preparado, planeado e executado” foram destacados por José Azeredo Lopes, a par da importância do trabalho desenvolvido em conjunto com o objectivo de assegurar a defesa comum. Fonte: MediaTejo